Resenha: Simplesmente o Paraíso (Quarteto Smythe-Smith #1) por Julia Quinn

AMAZON

 Honoria Smythe-Smith sabe que, para ser uma violinista ruim, ainda precisa melhorar muito…


Mesmo assim, nunca deixaria de se apresentar no concerto anual das Smythe-Smiths. Ela adora ensaiar com as três primas para manter essa tradição que já dura quase duas décadas entre as jovens solteiras da família. Além disso, de nada adiantaria se lamentar, então Honoria coloca um sorriso no rosto e se exibe no recital mais desafinado da Inglaterra, na esperança de que algum belo cavalheiro na plateia esteja em busca de uma esposa, não de uma musicista.


Marcus Holroyd foi encarregado de uma missão…

Porém não se sente tão confortável com a tarefa. Ao deixar o país, seu melhor amigo, Daniel, o fez prometer que vigiaria sua irmã Honoria, impedindo que a moça se casasse com pretendentes inadequados. O problema é que ninguém lhe parece bom o bastante para ela. Aos olhos de Marcus, um marido para Honoria precisaria conhecê-la bem (de preferência, desde a infância, como ele), saber do que ela gosta (doces de todo tipo) e o que a aflige (como a tristeza pelo exílio de Daniel, que ele também sente). Será que o homem ideal para Honoria é justamente o que sempre esteve ao seu lado afastando todo e qualquer pretendente?


Com seu estilo inteligente e divertido, Julia Quinn enfim apresenta ao público o Quarteto Smythe-Smith, o terrivelmente famoso e adoravelmente desafinado grupo musical que conquistou os leitores antes mesmo que as cortinas se abrissem para ele. 






Uma delícia de ler!

Eu sempre me encontro rindo quando leio um romance da Julia Quinn, e eu não consigo me controlar! Embora eu saiba que a autora é capaz de fazer um trabalho melhor, eu me diverti muito lendo Simplesmente o Paraiso!

Fiquei satisfeita por encontrar novamente alguns dos nossos personagens favoritos da série Bridgerton. Eu não vou estragar isso para você, mas é sempre uma alegria ver a Lady Danbury! Ela tem uma de suas melhores cenas de todas neste livro, hilária!

O casal principal foi excelente juntos, eu amei como eram descontraídos um com o outro, e eles tinham vários diálogos naturais e com ótima fluidez. E é claro que eu estava encantada com o atípico herói, um aristocrata tímido e leal. Marcus estava doente pela a maior parte do livro, o que poderia ter sido encurtado - eu senti como se não houvesse muito mais que a autora poderia ter explorado dessa situação.

O que eu realmente senti falta foi mais cenas de romance ao compará-lo com os livros anteriores dos Bridgerton. Na minha opinião, o livro teve pouco romance e tensão sexual entre Honoria e Marcus. Talvez por isso eu pensei que a cena de sexo foi estranha, como uma cena forçada que tinha que estar lá, não senti que foi a progressão natural da narrativa.

Apesar de terminar de forma apressada e algumas coisas faltando aqui e ali, eu fiquei encantada novamente pelo humor e leveza que é típico da Julia Quinn. Você vai se apaixonar. 





O livro também está presente no Boxe da serie, disponível na versão física e digital (ebooks).
Boxe Físico

Boxe Digital







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha:The day of the duchess (Escândalos e Canalhas #3) por Sarah MacLean

Resenha: Uma noite como esta (Quarteto Smythe-Smith #2) por Julia Quinn

Resenha: Quando a Bela Domou a Fera (Contos de Fada #1) por Eloisa James